quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Especial Liga da Justiça da América - Parte I: O Início

A Liga da Justiça da América é principal equipe de super-herói das HQs. Criada pela DC Comics, inspirada na Sociedade da Justiça da América, outra equipe de super-heróis da DC, mas essa criada nos anos 1940. Entre seus membros, destacam-se: Superman, Batman, Aquaman, Mulher Maravilha, Lanterna Verde, Flash e Caçador de Marte, também conhecidos como os Sete Magníficos. Apesar dessa formação ser a mais conhecida, a equipe teve inúmeras outras distribuídas em diversas fases, tais como a Liga da Justiça Satélite, Liga da Justiça Detroit, Liga da Justiça Internacional, Liga da Justiça Europa, etc. Confiram a seguir no novo especial do Antimonitor HQs, os principais momentos da equipe:

A origem da Liga da Justiça da América remonta a Era de Ouro e ao surgimento da Era de Prata. Durante a Era de Ouro, com a intenção de promover seus diversos heróis, a editora encarregou Gardner Fox de criar uma equipe que pudesse reuni-los. Assim, em All Star Comics #3,uma edição com mais páginas que as outras publicações, publicada no inverno de 1940, surgiu a Sociedade da Justiça da América, a primeira equipe de super-heróis dos quadrinhos. A equipe tinha como membros: Flash I, Gavião Negro, Lanterna Verde, Homem-Hora, Sandman, Átomo, Espectro, Johnny Trovoada como mascote e com o tempo, se juntariam Mulher Maravilha, Dr Meia-Noite e Starman.

Para mais informações sobre a Sociedade da Justiça da América e a Era de Ouro clique AQUI e AQUI.

Entretanto, apesar do grande sucesso, com o fim da guerra, a moda dos super-heróis começou a perder forçar para a ficção cientifica. Para sobreviver, a National Periodical Publication (atual DC Comics) foi obrigada a cancelar títulos de seus super-heróis e buscou novos ramos, voltando-se para a ficção cientifica, uma idéia dada pelo editor Julius Schwartz.

Em 1954 chegava às livrarias dos EUA, o livro Seduction of Innocent, livro escrito pelo psicólogo Frederic Wertham, que iniciou uma verdadeira guerra contra os quadrinhos. A obra destacava a influência negativa dos quadrinhos nas crianças. O livro foi tão repercutido que uma comissão do Senado americano foi criado para investigar as acusações de Frederic. Para debater as acusações, a CMAA (Comics Magazine Association of America) criou o Comics Code Authority, um extenso conjunto de regrar do que poderia ser mostrado nas revistas. Com isso, antes de publicarem seus títulos, as editoras deveriam enviá-los a CMAA, que analisava se o material estava de acordo com o código. Os aprovados recebiam o direito de incluir em suas capas um selo de aprovação.Graças a tal, muitas histórias de heróis, principalmente do Batman, foram amenizadas, se tornaram infantis. O Comics Code apenas começou a perder força na década de 1960.Com a pressão do Comics Code às HQs de terror e policiais, que eram os sucessos da época, a National percebeu que aquele era o momento ideal para relançar seus antigos super-heróis. Julius Schwartz aceitou o projeto com uma única condição, reformular o personagem escolhido para o relançamento. E desta forma, em 1956, na edição número 4 da revista Showcase, surgia o novo Flash. Criado por Robert Kanigher, John Broome e Carmine Infantino, Barry Allen, o novo Flash, tinha sua origem relacionada à ficção cientifica, assim como quase todos os heróis reformulados. O novo Flash se tornou um grande sucesso e ele foi responsável pela volta da popularidade dos super-heróis. Com seu surgimento, se dava início a Era de Prata.

Enfim, Liga da Justiça da América...

A década de 1960 havia chegado. Os heróis, graças a National, estavam em alta novamente. Mais uma vez sob a coordenação de Julius, mais super-heróis eram reformulados e novos eram criados: vieram versões reformuladas de Lanterna Verde (agora Hal Jordan, tendo sua origem ligada a alienígenas), Superman, Batman, Arqueiro Verde (Oliver Queen), Mulher Maravilha, etc. Também surgiram novos personagens, como o herói marciano Caçador de Marte.

Tendo reintroduzido com sucesso seus personagens da Era de Ouro, a editora então pediu ao escritor Gardner Fox para que a Sociedade da Justiça da América fosse reintroduzida, devido ao seu grande sucesso nos anos 1940. Influenciado pela popularidade da National Football League e da Major League Baseball (Liga Nacional de Futebol Americano e Liga Principal de Baseball, em tradução livre), Fox decidiu mudar o nome do grupo para Liga da Justiça América (Julius Schwartz, como relatado a Robert Greenberger, também não gostava do nome “Sociedade”, já que soava desproporcionalmente grande e por isso preferia “Liga”). A equipe estreou em The Brave and the Bold # 28 (feveiro/março de 1960), e logo se tornou um dos títulos mais vendidos da editora. O correio mostrou que a estréia da LJA tinha sido um sucesso, antes de os relatórios de vendas chegarem confirmando a boa nova. Assim como na SJA, o conceito da LJA era basicamente o mesmo: reunir os personagens mais populares da época em uma mesma série. Gardner Fox e Mike Sewowsky foram a equipe de criação da Liga da Justiça por oito anos.

A formação inicial da Liga da Justiça incluía os sete grandes super-heróis da DC na época: Superman, Batman, Aquaman, Flash, Lanterna Verde, Caçador de Marte e Mulher Maravilha. No entanto, Superman e Batman nem sempre freqüentavam as histórias do grupo. A equipe operava a partir de uma caverna em Happy Harbor, Rhode Island e em sua primeira aparição, enfrentou o conquistador alienígena Starro, ganhando como mascote o Lucas “Snapper” Carr, um adolescente com a mania de estalar os dedos que acabou ganhando a confiança da equipe após ajudá-la a derrotar o vilão.Na esteira da estréia, em Brave and Bold #29, a Liga enfrentou o Mestre das Armas, um vilão com um arsenal extremamente poderoso vindo do futuro. Entretanto, foi em Brave and Bold #30 que surgiu um dos mais completos vilões da equipe: Amazo. Criação do Professor Ivo, o andróide é capaz de copiar os poderes dos heróis. O vilão tornou-se presença constante em todas formações da LJA.

Devido ao grande sucesso, Justice League of America #1, primeira edição do título próprio da equipe, foi publicada em outubro de 1960. Logo no primeiro número, a LJA enfrentava Despero, que fazia sua estréia, com uma aparência diferente da que conhecemos hoje. Mensalmente, eram mostradas aventuras da Liga enfrentando os mais variados adversários e recebendo novos membros: Arqueiro Verde (Oliver Queen) em Justice League of America #4; Eléktron (Ray Palmer) em Justice League of America #14; Gavião Negro (Katar Hol) em Justice League of America #31 e Canário Negro (Dinah Laurel Lance) vindo diretamente da Terra 2, em Justice League of America #74.

Curiosamente, a Mulher-Gavião não pôde se tornar membro da Liga junto ao seu amado. A explicação: a Liga não poderia ter dois heróis com o mesmo poder ao mesmo tempo e nem aceitar mais de um membro na mesma sessão.Nas próximas edições, os heróis enfrentariam vilões importantes até hoje como Felix Fausto, os Três Demônios e Kanjar Ro. Também se aliaram a Adam Strang em Mystery in the Space.

Finalmente, em Justice League of América #9, a origem do grupo foi revelada: Aquaman, Canário Negro, Flash, Lanterna Verde, Caçador de Marte, Superman, Mulher Maravilha, e Batman uniram suas forças pela primeira vez para frustrar os planos dos tirânicos alienígenas do planeta Appellax, depois que os sete campeões do espaço usaram a Terra como coliseu e acabaram sendo impedidos de se degladiarem pelos heróis. Por fim, Superman, Batman, Mulher Maravilha, Aquaman, Flash, Lanterna Verde e Caçador de Marte se reuniram para derrotar o último dos extraterrestres. Depois deste evento, os heróis decidiram reunir suas forças para defender a Terra.O sucesso da LJA era grande, tanto que foi responsável pelo interesse da Marvel em lançar heróis, com o lançamento do Quarteto Fantástico. Além disso, causaram a volta dos sidekicks, os parceiros mirins dos super-heróis, ocasionando na criação da Turma Titã.Enquanto isso, muitos fãs se perguntavam que fim levou os heróis surgidos na Era de Ouro. Para respondê-los, a antologia história Flash de dois mundos (Flash # 123), foi publicada. O novo Flash, Barry Allen, encontrou Jay Garrick, o Flash da Era de Ouro. Para explicar tal encontro, foi explicado que Joel, assim como os outros heróis da Era de Ouro que se aposentaram, viviam num mundo paralelo, a Terra 2. Era questão de tempo ocorrer o encontro entre Liga da Justiça e Sociedade da Justiça, que finalmente aconteceu em Justice League of America #21 e 22 (1963). Na trama, as equipes se reuniam graças a uma tramóia arquitetada pelos Campeões do Crime, vilões das duas Terras que se juntaram: Cronos I, Dr. Alquimia e Felix Fausto (Terra 1) e Violinista, Geada I e Mago (Terra 2) para que, trocando de lugar, pudessem aproveitar os ganhos de seus roubos nas Terras onde não são conhecidos. Graças ao conhecimento de Barry Allen, que já havia encontrando Jay Garrick, sua contraparte da Terra 2, as equipes puderam se unir para derrotar os vilões. A partir daí, o encontro entre as duas equipes passaram a ocorrer anualmente.A partir disto, os encontros entre a Liga e a Sociedade tornaram-se frequentes. Em 1964, nas edições 29 e 30, as duas equipes se encontraram com o Sindicato do Crime da Amérika, versões malignas dos heróis vindas da Terra 3. Começa ali a exploração do Multiverso, algo que se tornaria comum nas reuniões das duas equipes. Nos próximos encontros surgiriam a Terra A, o Homem de Antimatéria, o Robin da Terra 2 (assumindo um uniforme mais semelhante ao de seu mentor, o Batman da Terra 2) e o Tornardo Vermelho. Em todos estes encontros, mais e mais personagens faziam pontas, como: Arrasa-Quarteirão, Solomon Grundy, Johnny Trovoada da Terra 1, Espectro e outros membros da Sociedade que passaram a sair da aposentadoria para reintegrar a equipe, que havia acabado de voltar a ação devido a Liga.Mesmo com tantos heróis na Liga, a partir de 1966, Batman se tornaria o astro maior da revista, graças ao sucesso de seu seriado de TV, aparecendo com destaque em todas as capas. Contundo, quando o público começou a perder o interesse pela série do Homem-Morcego em 1968, as vendas de HQs entram em declínio, inclusive as de Liga da Justiça. Para tentar mudar a situação, o status quo de vários títulos da DC foi modificado. Com isso, Denny O’Neil passou a escrever as histórias da Liga, provocando diversas mudanças.Destaques da época: Surpreendentemente, Metamorfo (Rex Mason) recusa ao convite da Liga em Justice League of America #42, o que choca a todos. Nas edições 50, 60 e 70, Robin, Batgirl e Rastejante, respectivamente, participam de aventuras ao lado da equipe. Já na edição 71, o Caçador de Marte, explica a sua ausência devido a busca pelo que restou de sua raça marciana e nos mostra, pela primeira vez, os Marcianos Brancos.A última história importante deste período foi Justice League of America # 77 (dezembro de 1969), onde Snapper era ludibriado e volta-se contra a Liga, ajudando a lançar a opinião pública contra os heróis e revelando a localização secreta da caverna da equipe para o Coringa, o responsável por enganar o adolescente. Isso acabou resultando na demissão de Snapper Carr da equipe. Sua demissão seguiu à renúncia de dois dos membros originais da Liga, Mulher Maravilha (em Justice League of America # 69) e J'onn J'onzz (em Justice League of America # 71). Era o fim de uma era, mas o surgimento de uma nova...

4 comentários:

  1. Eu sempre fui fã da Liga . Parabéns pelo especial

    ResponderExcluir
  2. muito bom este post sobre a jla , ja faz tempo q vc nao postava, quand sai a segund part?...

    ResponderExcluir
  3. Obrigado pelos elogios pessoal ;D Andei um pouco sumido, mas estou voltando. A segunda parte já saiu :)

    ResponderExcluir

Maniacos por DC Comics, poste aqui sua opnião!